segunda-feira, 29 de Março de 2010

Definição de inteligência/Várias concepções da inteligência

Inteligência é uma capacidade fundamental nas suas vidas.

Porém, é mais difícil encontrar acordo quanto ao que se considera ser a inteligência, havendo por isso grande dificuldade em a definir.

Uma definição amplamente aceite e que tem sido usada por muitos psicólogos é a seguinte:

INTELIGÊNCIA

Capacidade que os indivíduos possuem para se adaptarem às circunstâncias em que vivem.

Carácter dinâmico da inteligência como processo adaptativo às situações do meio.

Agrupando o que há de comum na maioria das definições, é possível apresentar como consensual um conceito de inteligência que integra os seguintes aspectos:

1. Capacidade de enfrentar situações novas e de resolver problemas de forma rápida e eficaz.

2. Capacidade de utilizar eficientemente símbolos e conceitos abstractos.

3. Capacidade de aprender rapidamente com a experiência e de adquirir conceitos novos.

Portanto, iremos desde já assumir o ponto de vista de que a inteligência se refere a um processo cognitivo complexo que engloba várias capacidades. Entre elas, fixemos as seguintes:

• Capacidade de adaptação.
• Capacidade de resolver problemas.
• Capacidade de raciocinar ou pensar abstractamente.
• Capacidade de aprender.

Várias concepções de inteligência

É com a inteligência que as pessoas têm de resolver os mais diferentes problemas com que deparam na vida. Viver implica, afinal, ultrapassar obstáculos, isto é, solucionar problemas de natureza diversa.

Os problemas que podemos ser obrigados a resolver são, com efeito, de natureza muito variada. Dizem respeito às nossas relações directas com os objectos que manipulamos, com o meio físico em que evoluímos, com as relações com os homens e com o meio social, com as nossas relações com os conceitos que adquirimos e cuja utilização lógica nos compete assegurar, com as nossas relações com o mundo das imagens que armazenamos e que podemos reconstruir.

O mecânico que deve reunir correctamente as peças de uma máquina, o guia que se deve orientar em regiões mal conhecidas, o chefe que deve resolver todas as dificuldades trazidas pela gestão de um pessoal heterogéneo, o político que deve convencer uma assembleia, o matemático que leva a efeito uma dedução simbólica, o físico que procura a causa de um fenómeno, o filósofo que especula sobre concepções abstractas, o arquitecto que constrói um projecto sujeito a certos fins e a certas condições, o músico que constrói uma sinfonia ou o escultor que realiza uma estátua, todos dão prova de inteligência (...).

Henri Pieron, Psicologia experimental


Animais, crianças e adultos têm que resolver problemas, isto é, têm que descobrir ou inventar meios de atingir os objectivos que se propõem, ultrapassando os obstáculos com que deparam. Porém, são diferentes as situações que para eles constituem problema, bem como os modos que utilizam para os resolver.

Para ilustrar que há diferentes modos de resolver problemas, Sprinthall apresenta-nos a seguinte história:

Dois jovens dão um passeio pelo campo. Um é estudante de pós-graduação em Matemática, o outro abandonou o ensino secundário e é conhecido pela sua "esperteza de rua". Entram num túnel abandonado e, quando vão a meio do caminho, vêem, subitamente, entrar no túnel um urso grande e feroz atrás deles. O matemático puxa da sua calculadora, calcula valores como as distâncias envolvidas e as velocidades a que eles e o urso podem correr, fazendo rapidamente diversas operações. Enquanto isso, o que abandonou a escola descalça as botas e rapidamente calça uns sapatos de ténis.

Não vale a pena - diz o matemático. As minhas equações mostram que não podemos correr mais do que o urso.

O outro replica: - Talvez, mas da maneira como vejo a questão, não precisamos de correr mais do que o urso. O que é preciso é que eu consiga correr mais depressa do que tu.

Psicologia educacional

Atendendo às diferentes formas de resolver inteligentemente as situações problemáticas, há quem faça a distinção entre inteligência prática e inteligência conceptual.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixa o teu comment*